Câncer: uma tragédia nacional!
Câncer: uma tragédia nacional!

Câncer: uma tragédia nacional!

Fonte: Revista Vida e Saúde – Julho de 2018.

O TJCC (Todos juntos contra o câncer) em parceria com o Conselho Federal de Medicina, divulgou uma estatística preocupante: o câncer já é a primeira causa de óbito em 10% dos municípios brasileiros, superando as causas cardiovasculares. São vários os estados onde as incidências de mortes por câncer aumentam. Na região Sul, o Rio Grande do Sul é o estado mais afetado. Enquanto em todo o país as mortes pela doença representam 16,6% do total, no território gaúcho o índice chega a 33,6%.

Mas existe alguma forma de conseguirmos reverter esse quadro? Sim! Vamos conhecer algumas delas:
– Atividade física regular teve um bom resultado em um estudo sobre neoplasia de mama publicados no JAMA. Mulheres que eram ativas fisicamente antes de terem câncer de mama e aquelas que começaram a praticar exercícios após adoecerem, tiveram uma redução significativa na mortalidade, confirmando assim que o exercício tem efeito protetor.

– Estresse e ansiedade também são relacionados com o aparecimento de casos mais graves de câncer. Uma pesquisa realizada na cidade de Stanford, nos Estados Unidos, submeteu camundongos a fatores estressantes. Os animais desenvolveram cânceres bem ofensivos. A explicação para essa conclusão foi que o sistema imunológico sofre grande influência do bem-estar mental e isso se relaciona a sua vigilância, ou seja, quando estamos com nosso emocional bem equilibrado conseguimos passar isso para nosso sistema imune, que resulta em proteção para ameaças.

– Estudos bem recentes mostram uma grande relação entre a influência da alimentação com o aparecimento do câncer. O potencial cancerígeno da carne vermelha por exemplo foi avaliado em 2015 pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o câncer (IARC) e teve como resultado que o consumo de carne vermelha, juntamente com a processada, tem evidências determinantes como alimento cancerígeno. Essa relação foi observada, principalmente, nos cânceres de intestino, pâncreas e próstata. Esse estudo concluiu que o consumo de porções diárias de 50g de carne processada, como linguiça, salsicha, presunto, mortadela, salame, carne seca e carne enlatada, aumentam o risco de câncer de intestino e reto em 18%. O mesmo efeito se detecta no consumo de 100 gramas de carne não processada por dia.

Outro fator que se detectou determinante para o aparecimento de células cancerígenas foi a obesidade. Como todos já sabemos, a pessoa obesa é considerada inflamada, ou seja, a gordura em excesso inflama e cicatriza, atrapalhando o emagrecimento e aumenta os riscos de doenças do coração e vasos sanguíneos.

Portanto, depois de todos esses fatores, podemos concluir que o Brasil está sofrendo profundas alterações porque nossa população está adquirindo hábitos de vida cada vez mais doentios. O câncer é possível de se prevenir na maioria das vezes. Mas, individualmente, você pode reverter essa situação mudando seus hábitos e estilo de vida. Se for possível, procure morar em uma área com menos poluição. Lembre-se de se exercitar regularmente para evitar o estresse e ansiedade e mantenha uma alimentação saudável. Além do câncer, você vai prevenir muitas outras doenças.

 

Mônica R. Pohlenz Stolarski

Nutricionista

Pós-graduada em Nutrição Clínica com área de concentração em Alimentação Institucional e Coach de Saúde e Emagrecimento

CRN 8 6467

 

Atende no Centro Administrativo – Antigo Hospital Filadélfia
Rua Mato Grosso, 640 – Centro
Marechal Cândido Rondon – PR
Fone: (45) 3284-7100