Pediatra orienta sobre quando procurar o pronto atendimento hospitalar

Drª Caroline Martins Bettoni é nova médica profissional em Pediatria que atende pelo Sempre Vida

 

Ambiente hospitalar não é local para crianças. Elas são mais sensíveis e o contato com enfermos e pacientes pode causar doenças nos pequeninos. Esta é a orientação preliminar da Drª Caroline Martins Bettoni, nova profissional que está atendendo pelo Sempre Vida Pediatria.

Segundo ela, a criança deve ser levada ao pronto atendimento do hospital somente numa real situação de emergência ou urgência. Uma febre repentina, diarreia ou outro desconforto podem ser tratados em casa e com a orientação do pediatra que já conhece a criança.

A médica explica que um telefonema ao pediatra que já conhece o histórico da criança pode solucionar o problema e evitar a exposição de levá-la de forma precipitada ao pronto atendimento. Até mesmo quando não é possível o contato com o pediatra da criança, ainda assim não é indicado procurar o pronto atendimento caso não seja realmente uma emergência. “Tente outros pediatras. O Sempre Vida possui sete profissionais credenciados que podem ajudar a resolver o problema do seu filho”, observa.

Para facilitar as vidas dos pais, os próprios pediatras do Hospital Rondon elaboraram um livreto com dicas e orientações de como proceder nos momentos de doença das crianças. A cartilha tem o título PROCURAR O CONSULTÓRIO OU PROCURAR O PLANTÃO?

Ela é distribuída gratuitamente e pode ser retirada nos consultórios dos pediatras e na recepção do Hospital Rondon. O material ajuda a tirar dúvidas de muitos pais sobre situações do dia a dia que ocorrem com as crianças.

Dra Caroline Martins Bettoni - foto tratada matéria Pronto Socorro pediátrico - 509x339

Levar ao consultório

A Drª Caroline lembra que o pronto atendimento não é consultório médico. Ele é um local para atendimento imediato e de emergência.

Quando uma criança está com algum problema, o local ideal é procurar o consultório médico. Neste, o pediatra tem condições de avaliar, examinar a criança, além de ter mais tempo para conversar com os pais, para entender a origem do problema e traçar um diagnóstico correto.

“Uma visita ao consultório médico pode, muitas vezes, evitar medicação desnecessária, pois com a consulta e exames o médico já terá condições de traçar um diagnóstico preciso. Ao contrário, o pronto atendimento vai oferecer apenas um tratamento paliativo”, reforça.

Por fim, a médica orienta que os pais façam uma avaliação criteriosa do estado de saúde do seu filho e reservem o atendimento do plantão apenas para emergências. “Se o caso do seu filho pode esperar algum tempo, procure primeiro o atendimento nos consultórios médicos”, finaliza.

 

Drª Caroline Martins Bettoni – CRM 31.199