Hérnia de Disco

Por Luiz Felipe Ricci*

 

A coluna vertebral é composta por vértebras. No interior da coluna existe um canal por onde passa a medula espinhal. Segundo a anatomia são divididas em vértebras cervicais, torácicas e lombares. Entre as vértebras estão os discos intervertebrais, estruturas em forma de anel, constituídas por tecido cartilaginoso e elástico cuja função é evitar o atrito entre uma vértebra e outra e amortecer o impacto.

Os discos intervertebrais desgastam-se com o tempo e o uso repetitivo, o que facilita a formação de hérnias de disco, ou seja, parte deles sai da posição normal e comprime as raízes nervosas que emergem da coluna. O problema é mais frequente nas regiões lombar e cervical, por serem áreas mais expostas ao movimento e que suportam mais carga.

Hérnia de Disco 

Causas: Predisposição genética é a causa de maior importância para a formação de hérnias discais, seguida do envelhecimento, sedentarismo e do tabagismo. Carregar ou levantar muito peso (o que é muito comum entre os agricultores de Marechal Cândido Rondon) também pode comprometer a integridade do sistema muscular que dá sustentação à coluna vertebral e favorecer o aparecimento de hérnias discais.

A hérnia de disco pode ser assintomática ou, provocar dor de intensidade leve, moderada ou tão forte que chega a impossibilitar do paciente realizar suas atividades.

Os sintomas estão relacionados à área em que foi comprimida a raiz nervosa. Os mais comuns são: parestesia (formigamento) com ou sem dor; dor na coluna; na coluna e na perna (e/ou coxa); apenas na perna ou na coxa; na coluna e no braço; apenas no braço.

A hérnia de disco acomete mais as pessoas entre 30 e 50 anos, o que não quer dizer que crianças, jovens e idosos estejam livres dela. Estudos radiológicos mostram que depois dos 50 anos, 30% da população mundial apresentam alguma forma assintomática desse tipo de afecção na coluna.

O diagnóstico pode ser feito clinicamente, isto é, só com exame clínico, levando em conta as características dos sintomas e o resultado do exame neurológico. Exames como RX, tomografia e ressonância magnética ajudam a determinar o tamanho da lesão e em que exata região da coluna está localizada.

 

Prevenção: Desenvolver hábitos saudáveis de vida, tais como: prática regular de atividade física, realização de exercícios de alongamento e de exercícios para fortalecer a musculatura abdominal e paravertebral, e postura corporal correta são medidas importantes para prevenir as doenças da coluna.

 

Tratamento: As hérnias de disco localizadas na coluna lombar, em geral, respondem bem ao tratamento clínico conservador. O quadro reverte com o uso de analgésicos e antiinflamatórios, se a pessoa fizer um pouco de repouso e sessões de fisioterapia e acupuntura.

Hérnias de disco na coluna cervical podem surgir diretamente nessa região ou serem provocadas por alteração na curvatura e posicionamento da coluna vertebral durante a crise da hérnia lombar. A escolha do tratamento, se cirúrgico ou não cirúrgico, considera a gravidade dos sintomas e o déficit motor.

 

Recomendações

* Evite: excesso de peso, de bebidas alcoólicas, de exercícios físicos, de cigarro;

* Mantenha a postura correta quando sentado ou em pé;

* Vida sedentária é responsável não só pela formação de hérnias de disco, mas por problemas em outras partes do corpo como coração, metabólicos e endocrinológicos.

* Informe-se sobre o tipo de atividade física indicada para sua faixa de idade;

* Suspenda os exercícios se os sintomas voltarem e procure assistência médica imediatamente;

 

Um abraço a todos os leitores e até a próxima.

 

* Dr. Luiz Felipe Ricci é médico, especialista em Ortopedista e Traumatologista – CRM-PR 29.879

Atende na Multiclin

Rua Dom João VI, 753 – Centro

ATUALMENTE ESTÁ NA FRANÇA ESPECIALIZANDO-SE EM CIRURGIA EM OMBRO

Fone: (45) 3254-3452

E-mail: lfrvieira@yahoo.com.br